Skip to main content
Debussy

Claude Debussy – o piano impressionista

O que produções hollywoodianas como Assim Caminha a Humanidade (1956), Onze Homens e um Segredo (2001), A Saga Crepúsculo: Eclipse (2010) e Uma Noite de Crime (2013) têm em comum? Você pode pensar em atores, diretores ou mesmo produtores. Mas, se juntarmos a essa lista novelas da TV brasileira, peças de teatro, comerciais de perfume e muitos outros filmes, rapidamente se percebe que a resposta só pode ser uma: a música. “Clair de Lune”, a mais conhecida composição do francês Claude Debussy, é o fator comum a todas essas produções. Facilmente reconhecível, com certo ar etéreo que reflete serenidade e perenidade e delicadas alterações de sonoridade, a obra para piano recebeu várias versões, incluindo uma para orquestra do próprio compositor.

(mais…)



Share article on

Leia Mais

Schumann

Robert Schumann: entre a genialidade e a loucura

Poucos artistas encarnaram tão bem os ideais do romantismo melancólico como Robert Schumann. Em sua obra, fica evidente o pessimismo profundo, influenciado por Byron, e os grandes dramas que viveu. Schumann correspondeu aos parâmetros do romantismo, nos quais amores impossíveis se alternavam com insanidade, delírios e atração pela morte.

Robert Schumann

(mais…)



Share article on

Leia Mais

Camargo Guarnieri: o Mozart brasileiro

Camargo Guarnieri: o Mozart brasileiro

Mozart Camargo Guarnieri foi um dos maiores músicos nascidos em nosso País e sua obra deveria ser mais executada, conhecida e reconhecida.

Nascido em 1 de fevereiro de 1907, em Tietê, no Estado de São Paulo, o pianista, maestro e compositor era filho do imigrante italiano Miguel Guarnieri – barbeiro e flautista que gostava de batizar seus filhos com nomes de grandes músicos, como Mozart – e da pianista Géssia Arruda Camargo Penteado.

Camargo Guarnieri: o Mozart brasileiro

(mais…)



Share article on

Leia Mais

Roberto Szidon

Roberto Szidon: o prolífico artista

Muitos são os pianistas brasileiros que têm lugar cativo entre os principais nomes da música mundial. Grande parte deles, desconhecidos do público de seu próprio País, são admirados por onde quer que se apresentem e figuram no panteão dos deuses do instrumento. Poucos, no entanto, tiveram uma carreira fonográfica tão bem-sucedida quanto o gaúcho Roberto Szidon.

Roberto Szidon

(mais…)



Share article on

Leia Mais

post-arthur

Arthur Moreira Lima e a democratização da cultura

Nascido em 1940 no Rio de Janeiro, Arthur Moreira Lima iniciou seus estudos de piano aos seis anos. Apenas dois anos depois, dava seu primeiro recital, na Associação Brasileira de Imprensa, com obras de Beethoven, Chopin e Paderevsky. Aos nove, fez seu primeiro concerto profissional, no Teatro da Paz, em Belém do Pará.
Arthur Moreira Lima

(mais…)



Share article on

Leia Mais

post-vila

Villa-Lobos – o mais conhecido compositor do Brasil

Filho da dona-de-casa Noêmia Villa-Lobos e do funcionário da Biblioteca Nacional e músico amador Raul Villa-Lobos, Heitor Villa-Lobos nasceu em 5 de março de 1887, no bairro das Laranjeiras, no Rio de Janeiro.

Villa-Lobos

A partir dos seis anos de idade, aprendeu, com o pai, a tocar clarinete e violoncelo. Raul Villa-Lobos ainda lhe obrigava a exigentes exercícios de percepção musical que incluíam o reconhecimento de gênero, estilo, caráter e origem de músicas, de notas musicais e ruídos.

(mais…)



Share article on

Leia Mais

Zequinha de Abreu

Zequinha de Abreu: Conheça a história desse fantástico compositor!

Quem não conhece “Tico-Tico no Fubá”? A música foi um dos maiores sucessos da década de 1940 e fez parte da trilha sonora de cinco filmes americanos: “Alô Amigos”, “A Filha do Comandante”, “Escola de Sereias”, “Kansas City Kity” e “Copacabana”, quando, com letra de Eurico Barreiros, foi cantado por Carmen Miranda. Composto por Zequinha de Abreu, em 1917, o choro é constantemente interpretado ao piano, sendo uma das peças de resistência de muitos estudantes, além de violonistas, cavaquinhistas, bandolinistas e até mesmo cantores, nos mais diversos arranjos.

(mais…)



Share article on

Leia Mais

Beethoven

Beethoven – o gênio indomado

Não há estudante de piano que não conheça ou queira tocar “Pour Elise”, uma das mais populares obras do alemão Ludwig van Beethoven. Utilizada em muitas ocasiões, desde desenhos animados até propagandas, de jogos a demonstrações de pianos digitais, passando por esperas telefônicas, a peça foi composta entre os anos 1808 e 1810, em homenagem a uma jovem a quem propôs casamento, chamada Therese Malfatti.

Beethoven

(mais…)



Share article on

Leia Mais

João Carlos Martins

João Carlos Martins – o incansável

Um dos maiores nomes do piano brasileiro de todos os tempos, João Carlos Martins, após atingir o ápice da fama, teve a carreira interrompida por fatalidades e problemas físicos, o que não lhe impediu de continuar se dedicando à música.

João Carlos Martins

Nascido João Carlos Gandra da Silva Martins em 25 de junho de 1940, em São Paulo, o pianista e maestro é irmão do jurista Ives Gandra Martins e do pianista José Eduardo Martins.

(mais…)



Share article on

Leia Mais

Franz Liszt

Franz Liszt – o maior pianista de todos os tempos

Ao lembrar de grandes compositores, vários são os nomes que se destacam, como Bach, Chopin, Beethoven e muitos outros. Mas, ao citar os grandes pianistas, um deles é considerado, por muitos, o maior de todos os tempos: Franz Liszt.

Franz Liszt

Liszt nasceu na vila de Raiding, em Doborján, região da Hungria, no dia 22 de outubro de 1811. Foi batizado em latim com o nome “Franciscus”, mas sempre o chamaram de “Franz”, a versão alemã do nome. Era chamado de “François”, em francês, e “Ferenc”, “Ferencz” ou “Ferentz” em húngaro.

(mais…)



Share article on

Leia Mais