Skip to main content
Cordas do Piano

As cordas do piano – a fonte sonora

A fonte do som de um piano é o conjunto de cordas, esticadas firmemente sobre a estrutura de madeira, a chapa de ferro, a tábua harmônica e os cavaletes. Quando atingidas pelos martelos, as cordas vibram e, em conjunto com a estrutura harmônica, produzem a característica sonoridade do instrumento.

Cordas do Piano

Basicamente, as cordas existentes do piano podem ser divididas em dois tipos: cordas planas e bordões. As primeiras, também chamadas de lisas, são constituídas por um fio de aço com alto teor de carbono, substituindo as antigas cordas de ferro. São utilizadas nas regiões média e aguda do piano e têm como principais propriedades o alto nível de rigidez e a alta densidade. Algumas possuem revestimento de cobre, obtido por meio de eletrólise.

Cordas do Piano

Os bordões são as cordas utilizadas na região grave do piano, revestidas com um ou mais fios de cobre enrolados sobre o fio de aço (embora existam bordões com revestimento de outros metais).

Comprimento e calibre

De acordo com a física, quando o comprimento de uma corda é dobrado, a nota produzida quando ela é percutida está uma oitava abaixo da original. Portanto, se todas as cordas do piano fossem do mesmo diâmetro, as cordas do baixo precisariam ter mais de 10 metros de comprimento! A solução para este problema é aumentar gradualmente o diâmetro (ou calibre) de cada corda.

As referentes às notas mais agudas são as mais finas – normalmente cerca de 0,7 mm de espessura. O calibre e o comprimento das cordas aumentam gradualmente à medida que a nota é mais grave, atingindo cerca de 1,4 mm na região em torno do Dó central.

Após determinado ponto, o aumento do calibre pode causar o enrijecimento das cordas, o que afetaria negativamente a qualidade sonora. Portanto, aproximadamente uma oitava abaixo do Dó Central, as cordas, em vez de serem fios de aço liso, passam a ser constituídas de um núcleo de fio de aço revestido com enrolamentos de fios de cobre. Isso aumenta a massa da corda, sem alterar perceptivelmente a sua rigidez, o que faz que ela vibre em uma afinação mais baixa, sem que seja necessário alterar drasticamente seu comprimento. Nas notas mais graves, inclusive, podem possuir um duplo enrolamento de cobre.

Cordas do Piano

As cordas do piano dedicadas aos sons mais agudos, mais curtas, são menos ressonantes que as mais longas e, por conta disso, a oitava superior do piano nem sequer usa abafadores. Para ser possível obter um som com volume compatível ao dos bordões nas regiões mais agudas, são utilizadas várias cordas afinadas no mesmo diapasão para cada nota: três para as mais agudas e duas para a região média do piano.

Cordas do Piano

O resultado é que, para 88 notas, um piano pode ter mais de 250 cordas! Cada corda tem uma tensão de 70 a 90 quilos, resultando em um total de mais de 20 toneladas de tensão, que deve ser suportada por uma complexa e sólida estrutura de madeira e ferro fundido, formando um elemento coeso e estável que garanta a qualidade dos sons emanados pela tábua harmônica e a “afinabilidade” do instrumento.

Assim como todos os outros componentes de um piano, seja vertical ou de cauda, as cordas precisam ser inspecionadas constantemente. Geralmente, não costumam apresentar problemas além de oxidação ou corrosão, facilmente verificadas por inspeção visual. Quanto mais esses efeitos estiverem presentes, maior a chance de haver ruptura da corda, com consequente perda de qualidade sonora e, muitas vezes, a completa impossibilidade de tocar o instrumento. Também por conta disso, é importantíssimo tomar cuidado em relação ao ambiente em que o piano será posicionado além de serem seguidas orientações em relação à manutenção do instrumento.



Share article on

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*