Skip to main content
Sampling

O que é sampling?

No artigo de hoje você verá o que é sampling e qual o seu papel na música. Confira!

Sampling

Para que um piano digital possa reproduzir com realismo a sonoridade ímpar de um piano acústico, a geração sonora é realizada por meio de um processo denominado “sampleamento” ou “amostragem”.

Não se trata de um oscilador que gera uma onda sonora (como nos sintetizadores analógicos) ou de martelos que percutem hastes de metal (como nos pianos eletromecânicos), mas da reprodução de uma gravação real, original, de uma nota ou timbre.

Os primórdios do sampleamento

A técnica de sampleamento foi desenvolvida a partir da década de 1940, com teóricos da música – como os franceses Pierre Schaefer e Pierry Henry, pioneiros na elaboração da chamada Musique Concrète (em francês, Música Concreta), reunindo gravações de som para formar uma nova composição.

Os conteúdos sonoros podiam incluir não apenas sons de instrumentos musicais, mas também ruídos de trens e barulhos mecânicos, por exemplo, gravados previamente.

Na década de 1960, foi lançado o Mellotron, um instrumento musical em que cada tecla pressionada acionava a reprodução de um pequeno pedaço de fita magnética contendo sons, ou amostras sonoras, com aproximadamente oito segundos de duração.

Essas amostras incluíam desde seções de instrumentos de cordas, como violinos, a flautas, vozes e, até mesmo, trilhas de ritmos pré-programados de diferentes gêneros musicais. O melhor e mais conhecido exemplo da utilização do Mellotron na música é a gravação de “Strawberry Fields Forever”, dos Beatles, em que o som das flautas é produzido por esse equipamento.

Com o advento da tecnologia, a ideia de utilizar uma gravação como matéria-prima para a geração sonora se expandiu e o processo de amostragem – anteriormente baseado em fitas magnéticas – passou a contar com a precisão digital e o armazenamento em chips de memória.

Utilizado primeiramente em instrumentos musicais de altíssimo valor, como as workstations Fairlight e Synclavier, a amostragem digital foi ganhando terreno graças à miniaturização e o barateamento dos componentes.

Nesse processo, a cada segundo, são realizadas milhares de medições e o resultado é registrado e armazenado digitalmente, de forma a poder se reproduzido posteriormente. Trata-se do mesmo princípio do CD e do DVD.

A amostragem nos pianos digitais

Para capturar com realismo a sonoridade de um piano acústico a fim de incorporar seu timbre a um piano digital, um longo e meticuloso processo é realizado.

O ponto de partida é escolher um piano de qualidade como modelo para a amostragem e colocá-lo em uma câmera anecoica – espécie de estúdio totalmente à prova de som, com perfeita absorção sonora, que possibilita aos técnicos captarem o puro e natural timbre do instrumento, isento de ruídos externos ou coloração desagradável.

Na Kawai, um dos melhores pianos de cauda-concerto do mundo, o KAWAI EX Concert Grand, reconhecido pelas excepcionais características de timbre e pureza de som, foi escolhido para esse processo.

Shigeru Kawai Sampling

Nos pianos digitais de boa qualidade, o sampleamento é realizado em estéreo, nota a nota.

Nos modelos da Kawai, como cada nível de dinâmica de um piano apresenta uma característica harmônica diferente, os especialistas da empresa foram além, realizando gravações digitais estéreo de cada nota em diferentes níveis de dinâmica, ou seja, para registrar a sonoridade rica e envolvente do instrumento, cada tecla do piano acústico é acionada com diversos tipos de ataque e o resultado é gravado digitalmente, em altíssima resolução.

A partir daí, o material captado é armazenado e analisado, de forma a construir, com extrema precisão, o mapa da estrutura harmônica do piano acústico.

De modo geral, nos pianos digitais, as amostras são armazenadas na memória interna e, ao acionar das teclas, são reproduzidas.

Algumas tecnologias, como a Harmonic Imaging, da Kawai, atuam na recriação dessa sonoridade, analisando o “retrato harmônico” capturado na câmera anecoica de forma a recriar com ainda mais realismo o piano original “amostrado”, reproduzindo fielmente a estrutura harmônica do piano em toda a sua extensão dinâmica, de delicados pianíssimos, oferecendo um inigualável nível de expressão e qualidade timbrística.

Related Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*