Skip to main content
como estudar oitavas para piano

Como estudar oitavas

Seja na música popular ou na erudita, a utilização de oitavas no piano é um artifício muito comum. A sonoridade proveniente da execução de oitavas enriquece o arranjo, encorpando linhas melódicas ou de baixo e reforçando a intenção do compositor ou arranjador. Saber tocar oitavas no piano corretamente, portanto, é uma habilidade muito importante. Mas uma sucessão de oitavas geralmente se torna algo difícil de executar, seja por conta do esforço físico, da posição das mãos e dos dedos ou da agilidade e da precisão na troca de notas.

Continue a leitura e saiba como estudar oitavas no piano!

como estudar oitavas para piano

Mas, afinal, o que é uma oitava?

Oitava é o intervalo formado por uma nota e outra com o dobro ou metade de sua frequência. Simplificando, é o intervalo formado por uma nota e a repetição dela oito notas acima ou abaixo. Uma oitava de uma nota Dó, por exemplo, é o próximo Dó (, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si, ), subindo ou descendo na escala (, Si, Lá, Sol, Fá, Mi, Ré, ). Ou seja, na prática, tocar uma oitava significa dobrar a sonoridade de uma nota acrescentando a ela sua repetição em uma região mais aguda ou mais grave do instrumento. Portanto, para tocar uma oitava de uma nota, deve-se imaginar um ponto de partida (uma nota qualquer) e encontrar a próxima nota de mesmo nome (tanto para a região aguda quanto para a grave).

 

o que é uma oitava
Exemplo 1

Dedilhado

Mãos muito pequenas têm mais dificuldade em alcançar grandes intervalos no teclado do piano, mas oitavas são elementos extremamente comuns na música para esse instrumento e praticá-las torna-se praticamente obrigatório. Algo importante para dominar esse conceito é o dedilhado.

Obviamente, se é necessário alcançar e pressionar simultaneamente duas teclas distantes em um intervalo de oitava, os dedos mais indicados para isso são os mais afastados da mão, ou seja, o dedo 1 (polegar) e o dedo 5 (mínimo). Isso funciona muito bem para as teclas brancas e mesmo uma sucessão de oitavas naturais pode ser executada dessa forma.

dedilhado para tocar oitavas
Exemplo 2

Mas, para as teclas pretas, há a opção de usar o dedo 1 e o dedo 4 (anular, também chamado anelar), o que garante tanto mais firmeza e segurança quanto mais agilidade. O uso desse dedilhado é particularmente útil ao executar uma passagem de oitavas que intercale teclas brancas e pretas, como nas escalas maiores e menores.

dedilhado para tocar oitavas
Exemplo 3

Um ótimo exercício para saber como estudar as oitavas no piano é procurar entender as escalas cromáticas, com ambas as mãos, tanto em movimento ascendente quanto descendente, alternando o dedo 5 e o dedo 4 nas teclas brancas e pretas respectivamente, o que também garante o domínio desse elemento tão comum tanto na música erudita quanto na popular.

escala cromática para tocar oitavas
Exemplo 4

Movimento da mão

Na execução de oitavas, um ponto controverso é como deve ser realizado o movimento e quais partes do corpo são responsáveis por ele a fim de garantir tanto um resultado claro e preciso quanto a utilização do menor esforço muscular possível.

Algumas escolas pianísticas defendem articular a mão com um movimento de punho para cima e para baixo, de forma a obter mais agilidade sem sobrecarregar a musculatura do braço. Outras, no entanto, pregam a utilização do braço com o punho e a mão estáticos. No fim, o que importa é o resultado e cada estudante deve decidir junto a seu professor qual a melhor maneira de executar oitavas, tendo em vista toda o arcabouço técnico de que dispõe.

como estudar oitavas para piano

Outra questão relevante é sobre os saltos de oitava, ou seja, a habilidade de pular de uma oitava para outra com precisão. Da mesma forma que a discussão sobre como deve ser o movimento, há diferentes pontos de vista em relação a técnicas de estudo que desenvolvem a exatidão e permitem ao músico executar esses saltos com segurança.

De forma geral, pode-se afirmar que o estudo dedicado e concentrado em pequenos trechos e em cada movimento, ao contrário do que se imagina, em vez de atrasar o aprendizado e torná-lo lento, o acelera. Ao ficar à vontade com cada pequeno trecho, o músico adquire segurança e confiança e, ao uni-los, também paulatinamente, a música se desenvolve de maneira mais rápida e consistente.

Lembre-se: o estudo das oitavas é fundamental para o domínio da técnica pianística pois, ao mesmo tempo em que esse elemento é muito utilizado na música erudita, torna-se um excelente aliado na construção de arranjos mais sofisticados na popular.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*